Agência japonesa e Embrapa discutem oportunidades em Agricultura 4.0

EMBRAPA – 15/01/2020

Uma comitiva da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) está em visita a centros de pesquisa da Embrapa esta semana para discutir oportunidades de parceria em agricultura digital para fins de segurança alimentar e desenvolvimento rural sustentável. Dia 14, na sede da Embrapa em Brasília/DF, os japoneses foram recebidos pela assessora da Diretoria de Inovação e Tecnologia (DEIT), Sibelle Silva, e pelo secretário de Inovação e Negócios (SIN), Daniel Trento.

A agência japonesa completou 60 anos de atuação no Brasil e, desde a década de 1970, mantém estreito relacionamento com a Embrapa para iniciativas voltadas ao meio rural. Para dar início a uma nova fase na relação entre as instituições, foi chave a apresentação do presidente da Empresa, Celso Moretti, na 4º edição do Diálogo Brasil-Japão, realizada ano passado na cidade de São Paulo/SP, na presença de autoridades japonesas, incluindo o ministro da Agricultura, Floresta e Pesca, Takamori Yoshikawa.

Durante o evento, Moretti apresentou ações da Embrapa voltadas à Agricultura 4.0, citando a submissão à Jica do projeto “Desenvolvimento de Sensores e Plataformas de Agricultura de Precisão em apoio à Agricultura Sustentável” pelo pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária, Ricardo Inamassu. A submissão do projeto – que obteve aprovação “excepcionalmente, considerando a importância do tema” – foi feita via Agência Brasileira de Cooperação (ABC) foi articulada com apoio da Gerência de Relações Estratégicas Internacionais (GREI/SIRE) e DEIT.

O detalhamento das ações do projeto é o motivo das visitas de técnicos da Jica no Brasil e no Japão às unidades da Embrapa. Na reunião com a DEIT, o diretor do Departamento de Desenvolvimento Rural da JICA no Japão, Kota Sakaguchi, lembrou a histórica atuação conjunta no desenvolvimento do Cerrado e iniciativas da agência na disseminação de tecnologias da Embrapa junto a países da América latina e da África.

“Agora, desejamos fortalecer as relações da Embrapa com a Jica e o Japão para participar conjuntamente da revolução da agricultura através da transformação digital”, destacou Sakaguchi, fazendo referência à relevância dos recursos naturais brasileiros para o País e o mundo. A retomada das negociações para instalação de um Laboratório Virtual da Embrapa (Labex) no Japão foi apontada por Sakaguchi como importante iniciativa neste momento – em que a Jica implanta sua política de Smart Food Chain (SFC) focalizando o desenvolvimento de estratégias de co-criação e transformação digital, apresentada na reunião em Brasília.

Inovação Aberta

O secretário de Inovação e Negócios, Daniel Trento, fez uma apresentação institucional da Embrapa ressaltando pontos do Macroprocesso de Inovação (MPI) como o uso da escala TRL na classificação das tecnologias desenvolvidas e em desenvolvimento, o modelo de inovação aberta em adoção na Empresa e, nesse no contexto de escassez de recursos públicos, o papel das parcerias com instituições de pesquisa nacionais e internacionais, bem como com a iniciativa privada e a promoção de eventos de aproximação com startups.

Em resposta ao questionamento sobre a inclusão da Agricultura Familiar no âmbito das estratégias de transformação digital, o secretário disse da necessidade de criação de redes para discutir e apresentar soluções para o complexo desafio da conectividade com propriedades rurais localizadas em regiões ainda sem acesso à internet, como o Norte e o Nordeste do País. Na apresentação ganhou destaque o trabalho da Embrapa Territorial na coleta de dados para monitoramento de culturas, relevante para o desenvolvimento de políticas públicas relacionadas à infraestrutura para escoamento de produção e monitoramento do desmatamento.

Assim como Sakaguchi, a assessora da DEIT, Sibelle Silva, avalia que o encontro evidenciou  sinergias e possibilidades de parceria para além do projeto aprovado pela Jica. “Devemos avançar na atuação em áreas de interesse comum para a co-criação na área de digital com vistas à segurança alimentar, desenvolvimento sustentável, transferência de tecnologia e mercado”, avaliou.

Ainda esta semana, a missão japonesa tem encontros agendados com as equipes da Embrapa Informática Agropecuária (17/01) e da Embrapa Agrossilvipastoril (15/01).  Além do diretor Sakaguchi, a comitiva é integrada pelo Conselheiro em Agricultura da JICA no Japão, Yutaka Hongo; pelo representante do Escritório da JICA em Brasília, Yutaro Tanaka; pelo coordenador de projetos na JICA-Brasil Kimura Nobuyuki, pelo representante do setor privado Isao Dojun, Consultor em Agricultura da empresa Chuo Kaihatsu Corporation; e o training officer da agência Tadasu Kondo.

Embrapa-Jica

Segundo o coordenador Nobuyuki, da cooperação técnica entre Embrapa e Jica denominada Projeto de Suporte Técnico-Científico para o Desenvolvimento Agrícola dos Cerrados, desenvolvido em parceria com a Embrapa Cerrados teve a primeira fase de execução iniciada em 1977, estendendo-se até 1985.

Entre os principais projetos que marcaram a parceria com a Jica na modalidade de Cooperação Técnica estão os desenvolvidos com Embrapa Cerrados, Embrapa Hortaliças e Embrapa Amazônia Oriental.

As ações desenvolvidas em Moçambique destacam-se entre os projetos de Cooperação Triangular e a parceria com a Embrapa Soja entre as iniciativas de cooperação técnico-científiica. Também merecem destaque, segundo Nobuyuki, o projeto Curso de Treinamento para Terceiros Países, voltado a nações Latino Americanas e Africanas de língua portuguesa e desenvolvidos em conjunto com  Embrapa Hortaliças, Embrapa Mandioca e Fruticultura, Embrapa Amazônia Oriental e  Embrapa Agroindústria Tropical.