Boas práticas de manejo melhoram índices reprodutivos do rebanho leiteiro

EMBRAPA – 27/01/2020

Bem-estar animal, nutrição adequada e cuidados com a saúde são fatores que interferem nos resultados reprodutivos do rebanho leiteiro e, consequentemente, impactam na produção de leite e nos lucros do produtor.

Para o produtor melhorar os índices do rebanho, o veterinário Marco Aurélio Bergamaschi, da Embrapa Pecuária Sudeste, recomenda a adoção de boas práticas de manejo focadas em bem-estar, alimentação balanceada e sanidade animal. Para ele, a reprodução só ocorre quando todas as necessidades forem satisfeitas.

Conforme Bergamaschi, o ideal é que aos 24 meses de idade a fêmea tenha o primeiro parto. A reprodução das vacas precisa ser regular, buscando intervalo entre partos de 12 meses. Para o pecuarista otimizar os lucros é importante também que  a lactação se mantenha por 10 meses.

Em relação à saúde, o produtor precisa de um plano de prevenção de doenças por meio de vacinação. Segundo ele, essa estratégia também deve abranger as doenças reprodutivas, principalmente brucelose e leptospirose. No caso do bem-estar deve-se garantir uma convivência harmoniosa entre homem e animal. “Bater e gritar é inconcebível em um sistema de produção”, ressalta. O rebanho também necessita ter à disposição sombra, água de qualidade e em quantidade suficiente, local de descanso e corredores livres de sujeira, buracos, pedras e tocos. “Se um animal passa por estresse térmico, a perda pode ser entre 20 e 30% tanto na reprodução, como na produção de leite, dependendo do grau de estresse a que foi submetido”, conta o veterinário.

A falta ou excesso de nutrientes pode causar prejuízos sérios aos animais. Por isso, uma dieta balanceada de acordo com as necessidades nutricionais de cada estágio é fundamental.

O acasalamento pode ocorrer por monta natural ou inseminação artificial (IA), dependendo do nível tecnológico adotado pelo pecuarista. Quando é realizada a IA, o trabalho de identificação do cio é feito pelo homem. Dessa forma, o profissional deve ser capacitado e atento para identificar os sinais.

A grande vantagem de um sistema de produção de leite é que os animais em lactação são manejados pelo menos duas vezes ao dia, no momento da ordenha. Nesse período, principalmente, o produtor deve ficar alerta para identificação do cio.

Em um manejo eficiente, faltando 30 dias para o parto, a vaca deve ser colocada em piquete separado, chamado de maternidade, com disponibilidade de pasto, sombra e água.

As boas condições corporais antes do parto contribuem para uma melhor performance no pós-parto. A atenção com a nutrição e sanidade é importante para garantir o futuro reprodutivo do animal.

Ainda, Bergamaschi chama atenção para o gerenciamento das informações relativas ao rebanho (datas de nascimento, acasalamento, secagem e parição, pesagens e controle leiteiro). De acordo com ele, é importante anotar todos os eventos ocorridos. Manter um relatório completo de cada animal da fazenda é recomendável para estabelecer a programação dos manejos necessários, tais como, secagem, vacinações pré-parto e acompanhamento da parição.

É relevante ter um programa de avaliação na propriedade. Uma vez por mês aconselha-se que as vacas sejam examinadas por um veterinário. A ideia é avaliar cada uma em seu estágio de reprodução. “De forma geral, as novilhas com idade e peso para reprodução são examinadas para verificar a maturidade sexual; é feito o diagnóstico de gestação nas fêmeas inseminadas; observa-se nas recém-paridas a involução uterina e as vacas sem histórico de acasalamento ou vazias são examinadas para diagnosticar problemas que as impedem de ficarem prenhas novamente, como a presença de infecções ou cistos ovarianos”, explica Bergamaschi.

Outro aspecto importante é a seleção genética do rebanho. Descartar os animais inferiores ou que apresentam problemas reprodutivos contribui para melhorar a produtividade da fazenda.

Para o veterinário, a partir do momento que o produtor adotar o manejo reprodutivo na fazenda, ele consegue obter resultados em um tempo relativamente curto, cerca de um ano.