COP25 chega ao fim com resultados tímidos

CICLO VIVO – 16/12/2019

Duas semanas de negociações na cúpula climática da ONU em Madri chegaram ao final neste domingo, 15 de dezembro de 2019, com um resultado aquém do necessário para responder ao avanço da crise climática global.

Apesar dos alertas claros de cientistas, dos níveis recordes de protestos nas ruas e dos graves impactos climáticos que testemunhamos ao longo do ano, as negociações foram vítimas de grandes diferenças entre países, que estão se mostrando difíceis de resolver.

“Tenho participado dessas negociações climáticas desde que começaram em 1991. Mas nunca vi a desconexão quase total que vimos aqui na COP25 em Madri entre o que a ciência exige e o que as negociações climáticas estão entregando em termos de ação significativa”, declarou Alden Meyer, diretor de Política e Estratégia, União de Cientistas Preocupados (UCS-Union of Concerned Sientists).

G20 e Brasil

Observadores que acompanharam as negociações em Madri culparam países do G20 pelo mau resultado, com os EUA, Brasil, Austrália, Arábia Saudita e as principais empresas de petróleo, gás e carvão envolvidas em minar a ambição climática.

“Uma parcela de países, da qual o Brasil faz parte lamentavelmente, agiu para minar o alcance e o poder dos textos que estavam sendo negociados.  Isso em um ano no qual jovens e outros tomaram as ruas em todo o mundo pedindo mais ação climática, em que o IPCC divulga novos e alarmantes relatórios sobre o futuro que nos aguarda se não agirmos de forma rápida e contundente, e no qual eventos extremos mostraram que a crise climática já está instalada”, destaca  Fernanda Viana de Carvalho, Gerente Global de Políticas de Clima e Energia do WWF.

“Mais uma vez, a COP colocou o processo à frente das pessoas e do planeta. Com os efeitos da crise climática se agravando em todo o mundo, alguns governos chegaram a retirar a expressão ‘emergência climática’ da decisão da COP. Numa reviravolta deprimente do espírito cooperativo que nos deu o Acordo de Paris, em Madri os suspeitos de sempre se juntaram a novos bloqueadores, como o Brasil. A política ecocida do governo Bolsonaro manchou a delegação brasileira na COP25 e transformou um ex-campeão do meio ambiente em um Trump – como pária cujo envolvimento na luta contra a catástrofe climática corre o risco de se tornar nada mais que uma assinatura de um acordo global “, analisa Carlos Rittl, secretário executivo do Observatório do Clima.

“Sobre a participação brasileira nesta COP, vimos uma delegação técnica e respeitada, agora sob grande constrangimento, com uma orientação eminentemente política, e chefiada por um ministro que obviamente não domina a questão das mudanças climáticas e das negociações multilaterais. Ele apresentou números e propostas confusos, que nem os brasileiros conseguem entender. Os dados e os fatos no Brasil falam mais alto e deixam claro que o desempenho do Brasil na conservação de suas florestas não sustenta as somas que o ministro exige para o Brasil. Como esperado, outros países não compraram essa história, o que apenas deixa claro o isolamento do Brasil nessas negociações”, acrescenta Fernanda.

Economias importantes como Canadá, Japão, China e Índia foram criticadas por sua complacência – por não oferecerem mais apoio às nações vulneráveis ​​diante de impactos brutais e por uma resposta coletiva mais dura em 2020, quando novos planos climáticos são mandatados sob Acordo de Paris.  “Quase 70 países – a maioria deles em clima vulnerável, países em desenvolvimento – enfrentaram o desafio ao se comprometerem a aumentar a ambição das promessas feitas em Paris. Mas a maioria dos maiores países emissores do mundo está deixando de agir e resistindo aos apelos para aumentar sua ambição”, destaca Alden Meyer.

Milhões não foram ouvidos

O resultado não atendeu às demandas de milhões que se uniram em todo o mundo este ano contra impactos climáticos, injustiça econômica, violações de direitos humanos e desigualdade. No meio da segunda semana, 200 ativistas foram temporariamente removidos do local, depois de protestarem contra a falta de progresso nas negociações. Isso aconteceu poucos dias depois que 500.000 pessoas – junto com a Greta Thunberg, eleita personalidade do ano pela revista Time  – lotaram as ruas de Madri exigindo ‘justiça climática’.

“Infelizmente, os negociadores não parecem ter conseguido produzir um resultado com a ambição e ação climática necessárias e exigidas pela sociedade civil para enfrentar a emergência climática. Os espaços de tomada de decisão permanecem fechados na COP e isso não é aceitável: os negociadores estão tomando decisões sobre nosso presente e futuro a portas fechadas, sem nossa participação. A sociedade civil precisa ocupar esses espaços a todo custo e exigir a inclusão de todas as vozes nesse processo! As mudanças na sede da COP, especialmente a viagem a Madri, dificultaram a participação da sociedade civil brasileira, incluindo os jovens, que também sofreram com a recusa do governo brasileiro em fornecer credenciais para nossos representantes. Com os obstáculos, conseguimos chegar a Madri e levamos nossas demandas e posições para a COP”, declarou a associação de jovens Engajamundo.

O mau resultado deixa os países anfitriões da COP26 – Reino Unido e Itália – com uma responsabilidade extremamente alta em 2020 para incentivar os principais poluidores a oferecer novos cortes de emissões alinhados com a ciência. Será necessário um grande esforço diplomático e uma maior aliança de lideranças para obter resultados substanciais na COP26. “Se essa postura não mudar entre agora e a cúpula climática do ano que vem em Glasgow, tornará quase impossível a tarefa de atingir a meta de limitação de temperatura abaixo de 2 graus Celsius que os líderes concordaram em Paris – muito menos a meta de 1,5 graus Celsius, que se tornará quase impossível”, alerta Alden Meyer.

Esperança

O novo acordo verde da União Europeia e seu novo compromisso de zerar as emissões líquidas até 2050, mais de 70 países comprometendo-se com melhores planos climáticos em 2020 e um aumento nas empresas e um número recorde de investidores em transição para a neutralidade do carbono oferecem esperança. Mas Londres e Roma precisarão implantar todo o seu arsenal diplomático, econômico e financeiro para recolocar o mundo nos trilhos em 2020. Os olhos também estarão na cúpula UE-China em Leipzig, em setembro próximo, onde Bruxelas e Pequim poderão entregar conjuntamente seus novos planos climáticos.

“O Acordo de Paris é importante demais para que a segurança do planeta seja vítima de políticas de curto prazo das principais potências do mundo. O Acordo de Paris é claro: 2020 é o ano em que todos os países precisam apresentar planos climáticos novos e realmente aprimorados. Este será um grande teste para o Reino Unido e a Itália – que hospedam a COP26 em Glasgow no próximo ano – mas eu acredito que eles possam cumprir”, afirmou Laurence Tubiana, CEO da European Climate Foundation.

O que foi / não foi acordado na COP25:

Planos climáticos para 2020: texto de urgência reforçado, apontando diretamente para o déficit de emissões. O texto final da decisão da COP25 “enfatiza com séria preocupação a necessidade urgente de abordar a lacuna significativa entre o efeito agregado dos esforços de mitigação das Partes em termos de emissões anuais globais de gases de efeito estufa até 2020 (…)”, ao mesmo tempo que “enfatiza a urgência de uma ambição elevada, a fim de garantir os mais altos esforços possíveis de mitigação e adaptação por todas as Partes”. No entanto, o texto é geralmente muito circular (ou seja, nenhuma declaração clara, de uma frase, como “à luz da urgência climática incentiva as partes a enviar NDCs aprimorados em 2020”).

Mercados de carbono: os negociadores não conseguiram alcançar um resultado nos mercados de carbono. Nas horas finais das negociações, mais de 30 governos se uniram aos Princípios de San José, em um esforço para preservar a integridade das regras do mercado de carbono e evitar brechas e a capacidade de contagem dupla de créditos de carbono.

Perdas e danos: foi estabelecida a Rede de Santiago para liderar mais trabalhos de implementação para minimizar, evitar e recuperar de perdas e danos. No entanto, o texto final é mais fraco que a versão anterior. Em termos de financiamento, “exorta” a ampliação do apoio dos países desenvolvidos e de outras Partes em posição para fazê-lo, bem como organizações privadas e não governamentais, fundos e outras partes interessadas; mas só convida o Conselho do Fundo Verde para o Clima (GCF) a continuar fornecendo recursos para perdas e danos e convida-o a levar em consideração, dentro de seu mandato, os fluxos de trabalho estratégicos do Comitê Executivo do WIM. O debate sobre governança foi adiado para o próximo ano.

Oceanos e uso da terra: novos trabalhos para considerar como fortalecer as ações de mitigação e adaptação.