Fungos podem ajudar a deteriorar resíduos plásticos em semanas, mostra estudo

Por iG São Paulo – 12/09/2018

Um estudo realizado por pesquisadores do Royal Botanic Gardens (Kew), órgão público patrocinado pelo Departamento de Meio Ambiente do Reino Unido, revelou que fungos, como cogumelos, podem ajudar a combater diversos problemas ambientais, como a poluição causada pela quantidade excessiva de plástico nos oceanos e florestas. As informações são do Daily Mail.

De acordo com os especialistas, existem cerca de três milhões de espécies de fungos , sendo uma delas, encontrada no Paquistão, muito eficaz para quebrar e deterioração de poliuretano poliéster, uma substância contida em resíduos plásticos.

O grupo destacou que, além da observação das mudanças geradas pelo fungo em um lixão do Paquistão, detectaram que tais organismos eucariotas podem ter impactos mais amplos sobre a vida selvagem e os sistemas naturais que dependem deles.

O estudo ainda evidenciou que os integrantes do reino Fungi também podem quebrar moléculas nas paredes celulares das plantas, bem como em substâncias químicas com propriedades semelhantes ao diesel, o que pode ajudar na elaboração de biocombustíveis mais econômicos e sustentáveis ​​do que os atuais.

O fungo, que pode crescer em condições extremamente ácidas e tolerar altos níveis de radiação gama, pode contribuir na limpeza de locais contaminados por lixo radioativo. De acordo com a professora e diretora de ciência do Kew, Kathy Willis, “o potencial dos fungos para resolver problemas ambientais é muito forte, e representa um avanço significativo acerca da compreensão de como atuam”.

Willis afirmou que apenas 56 espécies tiveram seu status de conservação avaliado para a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) em comparação com 25.452 plantas e 68.054 animais. Ela acrescentou que, no ano passado, foram identificadas duas mil espécies novas desses organismos em florestas e cavernas.

“Eles são extremamente importantes para a vida. Os fungos que crescem em torno de raízes e ajudam as plantas a absorver mais água e nutrientes acabam gerando um impacto positivo em 90% das espécies do grupo plantae”, disse.

Uma nova espécie identificada nos solos arenosos do deserto dos Emirados Árabes Unidos (EAU) foi uma surpresa para os estudiosos, já que tem ajudado plantas de cal, romã e uva a sobreviverem a condições adversas.

Os pesquisadores explicaram que, apesar de suas propriedades ‘salvadoras’, os fungos estão entre os organismos mais perigosos do mundo, responsáveis ​​por problemas graves, causados por seu crescimento em seres humanos e alimentos. O grupo concluiu que estudos estão sendo feitos para analisar a preservação dos fungos e seus benefícios, além dos malefícios proliferados por eles em função das mudanças climáticas.