Revolução Digital: as tendências do mercado e o perfil do profissional disputado pelas empresas

  • Home
  • Fique por dentro
  • Revolução Digital: as tendências do mercado e o perfil do profissional disputado pelas empresas

Por Folha Vitória – 03/02/2019

Inovação, Transformação Digital, Indústria 4.0, Mercado Disruptivo e Inteligência Artificial são alguns dos termos e tendências que o futuro, nada distante, nos reserva. Com tanta novidade, o mercado de trabalho mudou e está em constante “ebulição”.

As empresas exigem novas competências e saberes de seus profissionais, a revolução digital e suas inovações influenciam as relações de trabalho, e o mundo conectado funciona como facilitador e disseminador dessa grande metamorfose.  

Segundo pesquisa realizada pelo Laboratório de Aprendizagem de Máquina em Finanças e Organizações da Universidade de Brasília, que avaliou 2.602 ocupações brasileiras, 54% dos empregos formais no país estão em risco. Isto é, cerca de 30 milhões de vagas com carteira assinada podem ser fechadas até 2026.

Um dos grandes responsáveis por essa revolução é a automação. Com ela, as tarefas repetitivas e mecânicas, como as executadas por empregados de algumas áreas industriais, por exemplo, estão sendo substituídas por máquinasassim como o profissional do atendimento ao cliente.

Mas será que esse número representa o fim do trabalho como o conhecemo? De acordo com o consultor de inovação e marketing digital, Leonardo Carraretto, quando se fala em evolução tecnológica, apesar do receio de muitos profissionais, será necessário humanos para operar toda essa novidade. “Com isso, o que possivelmente devem desaparecer são as funções que podem ser desempenhadas por robôs. Mas, a partir de novas tecnologias, vão surgir novas oportunidades”, define. 

Leonardo também afirma que o principal desafio do profissional de hoje é descobrir as tendências e se preparar para o mercado do futuro.

Futuro do Trabalho

O relatório The future of Jobs (“O futuro dos trabalhos”, em tradução livre), realizado pelo Fórum Econômico Mundial, foi criado a partir de entrevistas com mais de 13 milhões de profissionais de nove grandes setores, em 15 mercados emergentes e desenvolvidos.

O estudo aponta que entre os principais fatores demográficos e socioeconômicos de mudança nos empregos estão as mudanças no ambiente de trabalho e acordo flexíveis (44%), o crescimento da classe média em mercados emergentes (23%), mudanças climáticas e escassez de recursos naturais (23%), mudanças nas barreiras geográficas (21%), entre outros.

Neste contexto, questões como o envelhecimento da população e o envolvimento de mais jovens em mercados emergentes também estão presentes. 

De acordo com a Gartner, empresa de consultoria relacionada a área de tecnologia, a inteligência artificial vai criar 2,3 milhões empregos em 2020, enquanto elimina 1,8 milhões. Ou seja, o mercado ainda vai mudar muito e nos levar a lugares que não podemos imaginar.

Para a consultora responsável pelo Núcleo de Carreira e Empregabilidade da MMurad/Fundação Getúlio Vargas (FGV), Neidy Christo, muito se fala sobre as transformações no mercado de trabalho, mas elas não são motivo para desespero. “A sociedade precisa se adaptar as mudanças de agora e se tornar cada vez mais criativa e produtiva para o que está por vir. Com isso, é preciso estar em constante evolução, tanto no domínio das ferramentas disponíveis, quanto apostando na qualificação do currículo através de uma educação continuada”, define a profissional.

Tecnologias

Ainda de acordo com o relatório do Fórum Econômico Mundial, os avanços tecnológicas modificam e impulsionam carreiras e profissões. Veja a relação das principais tecnologias que vão impactar no futuro do trabalho:

Além das presentes no gráfico, também foram citadas no relatório a economia de compartilhamento (12%), robótica avançada e transportes autônomos (9%), inteligência artificial (7%), produção avançada e impressão 3D (6%) e materiais avançados, biotecnologia e genômica (6%). 

Ensino Continuado

Não há dúvidas que o desenvolvimento tecnológico é o que sempre marcou as revoluções industriais que mudaram o mundo. Mas nem tudo está perdido. Ao mesmo tempo em que a automação é um processo sem volta, ela também traz na bagagem novas funções, algumas que nem foram previstas ainda. Segundo o Fórum Econômico Mundial, 65% das crianças que hoje estão no Ensino Fundamental terão empregos que nem existem.

A diretora de educação do Sesi/Senai, Priscilla Marquesexplica que as profissões do futuro já estão sendo posicionadas. “Dentro de um processo de tecnologias habilitadoras, os ensinos de hoje já atendem ao conceito da ‘Indústria 4.0’. Dessa forma, os profissionais mais capacitados dentro deste conceito terão muito mais colocação no mercado do futuro”.

Qualificação Profissional

Em um cenário de constante evolução, o mercado valoriza e reivindica, cada vez mais, o profissional que investe em uma educação continuada.  A especialização profissional é o principal caminho para quem busca desenvolver novas competências. Segundo a WGSN, empresa de previsão de tendências de mercado, o desenvolvimento de habilidades como criatividade, colaboração, compartilhamento e inteligência emocional são os principais trunfos do profissional do futuro.